segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

Atualização Mensal: Dezembro de 2013


Terminei o ano ganhando do ibovespa com folga, mas infelizmente perdi para a renda fixa.
Aproveitando o post, feliz ano novo a todos! Muito dinheiro, saúde e paz!


Vamos aos dados!

Minha carteira mensal:  -2,76% x Ibovespa mensal:  -1,86%

Minha carteira anual:  -1,90% x Ibovespa anual:  -15,50%


Composição da carteira atual de ações:

Ativo
Peso
COCE5
8,96%
ITUB4
8,24%
ETER3
7,77%
BBDC4
7,27%
VIVT4
7,22%
CIEL3
5,68%
VALE3
5,43%
ELPL4
5,26%
EQTL3
5,05%
ABEV3
5,04%
GETI4
4,83%
MDIA3
4,67%
ODPV3
4,37%
POMO3
4,36%
CCRO3
3,95%
NATU3
3,31%
BBAS3
2,98%
PETR4
2,85%
CMIG3
1,61%
GRND3
1,01%
OIBR3
0,15%



sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

[Fórum] Como iniciar o investimento em ações?

Pessoal,

Respondi esta pergunta no fórum, para incentivar o uso dele.

Ainda estou devendo um post sobre "Vale a pena ou não contribuir com pelo menos o minimo do INSS?" para o leitor Carlos. Criei um tópico lá sobre isto também.

Aguardo a valiosa participação de vocês!

Cliquem aqui para entrar no Fórum.



sábado, 14 de dezembro de 2013

Amortizar o financiamento do imóvel nem sempre é a melhor escolha - Parte 02

Estou voltando à questão do tão comentado post  "Amortizar o financiamento do imóvel nem sempre é a melhor escolha".

Foi concluído por muitos (e eu também concordei) que bastaria ter um investimento com rendimento maior que a taxa de juros efetivo do financiamento que era melhor investir do que quitar a dívida. Até o Dimarcinho fez um post sobre isto.

Só um anônimo que parece que contestou sobre a conclusão, levantou a questão sobre o tempo de financiamento e citou um erro na minha planilha sobre amortização diminuindo o tempo
e mantendo o valor da parcela da dívida. Corrigi o erro e comecei a fazer novas simulações.

Nas minhas novas simulações, tive uma surpresa. Nelas o rendimento do investimento deve ser consideravelmente maior do que a taxa de juros efetivo do financiamento. Mais que 1% maior. Isto é muita coisa!


Considerei nas minhas simulações:

- Taxa de juros efetiva (juros + todas as taxas e custos) do financiamento = 8,85% ao ano (0,71% ao mês).
- Financiamento de 300 mil reais.
- 50 mil reais em mãos no início do financiamento para usar para quitar a dívida ou investir.
- Simulei para 3 situações de financiamentos: 10, 20 e 30 anos.

Resultados:

Para começar a ser melhor investir ao invés de amortizar a dívida do financiamento diminuindo o prazo e mantendo o valor das parcelas, eu teria que obter os seguintes rendimentos brutos:

10 anos: 13,47% ao ano (1,06% ao mês)
20 anos: 11,45% ao ano (0,91% ao mês)
30 anos: 10,37% ao ano (0,83% ao mês)

Fiz 3 planilhas para cada quantidade de anos. Exemplo:

10anos-normal: pago a parcela normal da dívida de 300 mil reais e invisto os 50 mil reais.

10anos-diminuindo parcela: quito 50 mil da dívida e gero a dívida de 250 mil por 120 meses (10 anos) pela tabela SAC.

10anos-diminuindo o prazo: quito 50 mil da dívida e continuo pagando o mesmo valor que pagaria se a dívida fosse de 300 mil reais. Consequentemente, o número de parcelas diminui.

Note que nas simulações que fiz, não basta apenas ter um rendimento maior que o juros do financiamento (no caso 8,85% ao ano).

Quanto menor o prazo, maior teria que alcançar de rendimentos com investimentos.
E 10,37% bruto ao ano já considero difícil de ser alcançado apenas com renda fixa. Isto dificulta e aumenta o risco de usar a estratégia de investir ao invés de quitar a dívida.

E a questão do tempo do financiamento que foi contestado no post anterior impacta na questão do rendimento a ser alcançado para ser melhor investir do que quitar.
Pelo menos é isto que minhas simulações estão demonstrando.

Aqui está minha planilha excel para download.

E agora? Onde está o erro?


segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Fórum do Blog Investidor Defensivo


Pessoal,

Disponibilizei um fórum aqui no blog.
É uma ferramenta gratuita que encontrei na internet.
Ainda estou testando a qualidade deste recurso.

Espero que seja útil a todos.

domingo, 8 de dezembro de 2013

Visão geral da composição da minha carteira de ações


Tenho como estratégia formar uma carteira com 20 ações.

Fiz um quadro resumo para mostrar visão geral da proposta da composição da minha carteira:


Ativo
Status
ABEV3
ok
BBAS3
ok
BBDC4
ok
CCRO3
ok
CIEL3
ok
CMIG3
ok
COCE5
trocar por outra elétrica? (TBLE3 OU TAEE11)
ELPL4
trocar (trocar por SBSP3?)
EQTL3
trocar por outra elétrica? (TBLE3 OU TAEE11)
ETER3
ok
GETI4
trocar por GETI3
GRND3
ok
ITUB4
ok
MDIA3
ok
NATU3
ok
ODPV3
ok
OIBR3
retirar
PETR4
trocar (trocar por UGPA4  ou BBSE3?)
POMO3
ok
VALE3
ok
VIVT4
trocar por VIVT3


As principais dúvidas são:

- Trocar COCE5 e EQTL3 por outras elétricas? Até o momento as 2 estão proporcionando resultados satisfatórios. No caso, trocaria pelas TBLE3 e a TAE11.

- Estou pensando em incluir uma empresa de saneamento. A SBSP3.

- PETR4 não está me agradando. Penso em incluir a UGP4 ou BBSE3.


Só isto mesmo, pessoal.



terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Venda: ABEV3 Compra: MDIA3 e Tesouro Direto (LFT)


Vendi parte da ação que tinha em maior peso na carteira, a ABEV3 por R$ 17,39.
Com o dinheiro da venda, dividendos do mês passado e um aporte muito pequeno, comprei MDIA3 por R$ 108,20.
Agora o peso da ABEV3 na carteira passou para 5% aproximadamente.
E MDIA3 entra no time da minha carteira. Faz um bom tempo que estava querendo colocar uma empresa de alimentos no meu portfólio de ações.

A estratégia continua sendo montar uma carteira de 20 ações, com 5% de participação em cada.
Para balancear, vendo parte da ação que está com maior participação e compro uma que está com menos de 5% de participação.

Efetuo apenas 1 compra e 1 venda por mês.


Este mês comprei também tesouro direto, a LFT 070317, para reserva de emergência.