sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Atualização Mensal: Novembro de 2013

Esse ano está complicado!

Perder da renda fixa este ano já está praticamente certo!
Espero pelo menos fechar o ano com rendimento positivo.


Vamos aos dados!

Minha carteira mensal:  -1,75% x Ibovespa mensal:  -3,24%

Minha carteira anual:  +0,89% x Ibovespa anual:  -13,90%


Composição da carteira atual de ações:

Ativo
Peso
ABEV3
8,60%
ITUB4
8,44%
COCE5
8,38%
ETER3
7,78%
BBDC4
7,59%
VIVT4
7,05%
CIEL3
5,76%
VALE3
5,30%
ELPL4
5,24%
EQTL3
5,17%
GETI4
4,93%
POMO3
4,76%
ODPV3
4,13%
CCRO3
4,02%
NATU3
3,39%
PETR4
3,12%
BBAS3
3,08%
CMIG3
2,13%
GRND3
0,99%
OIBR3
0,15%



segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Amortizar o financiamento do imóvel nem sempre é a melhor escolha

O objetivo deste post é demonstrar que investir em tesouro direto é melhor do que amortizar o financiamento em alguns casos. Isto acontece quando o rendimento líquido do tesouro direto é maior do que o juros efetivo do financiamento do imóvel.

Fiz o seguinte exemplo:

Vamos supor que eu estivesse pagando 8,85% a.a de juros efetivo no financiamento do imóvel.
Utilizei 8,85% que é taxa de juros balcão atual cobrado pela Caixa Econômica Federal para financiamentos menores que 450 mil reais.


Acesso o site do tesouro direto na página de "Preços e taxas dos títulos públicos disponíveis para compra" e vejo que existe hoje o título LTN 010117 com o taxa bruta de 11,94%.



Explicando o que significa este título LTN 010117 :

- Comprando este título, o governo garante que irá pagar 11,94% a.a bruto no dia do vencimento 01/01/2017. É um valor fixo, não é renda variável. Por isso, as pessoas mais conservadoras, que têm medo de investir em ações, não precisam se preocupar. Mas atenção, o governo te garante pagar exatamente este rendimento se você ficar com o título até o final (dia do vencimento).


- 11,94% é o rendimento Bruto. Para conhecermos o rendimento líquido, precisamos retirar:
1-Impostos
2-Taxa cobrada pela BM&FBOVESPA
3-Taxa cobrada pela Instituição Financeira

Quem tiver interesse sobre os custos com detalhes, veja este link.

Calculando o rendimento líquido:

1- Retirando os Impostos: 15%, pois irei ficar até o vencimento.
11,94% * (100%-15%) =  10,149%

2- Retirando a taxa cobrada pela BM&FBOVESPA.
Taxa de custódia de 0,30% a.a.

10,149% - 0,30% a.a = 9,849%

3- Retirando a taxa cobrada pela Instituição Financeira
Neste caso, a taxa será zero. Isto porque irei utilizar uma qualquer uma das instituições que não cobram taxa. Neste ranking (clique aqui) mostra as taxas de cada uma das instituições.

9,849% - 0% = 9,849%.


Final do cálculo:
9,849% é a taxa líquida do título LTN 010117 cujo o taxa bruta é 11,94%.


Calculando a vantagem  de se investir no tesouro ao invés de amortizar o financiamento:

Vantagem =  Taxa líquida do título do tesouro direto - Juros do Financiamento
Vantagem =  9,849%  - 8,85%

Vantagem =  0,999%


Ou seja, praticamente 1% a.a.
É pouco a diferença? Sim.

Mas vamos supor que eu tenha 50 mil reais para amortizar no financiamento.

No exemplo, se invés de amortizar, eu resolva investir no tesouro direto, isto me daria 500 reais (R$ 50.000,00 * 1%) aproximadamente a mais a cada ano no meu bolso.


Ou seja, sempre que conseguirmos uma taxa líquida maior que pagamos no financiamento, matematicamente é mais vantajoso não amortizarmos. Hoje, no tesouro direto, para o meu exemplo conseguimos isto. Não sei no futuro.
Só lembrando também que esta estratégia requer muita disciplina e frieza emocional. Muitas pessoas preferem amortizar o financiamento, pois emocionalmente se sentem melhores em diminuir uma dívida.


Se existir qualquer erro nos cálculos ou em alguma das informações neste post, me avisem, por favor.


Livros sobre assuntos relacionados ao artigo: 








quinta-feira, 14 de novembro de 2013

"O blog foi removido" - Zé Mobral

 Companheiros blogueiros,

Mais um valioso blogueiro está "fora do ar".

http://zemobral.blogspot.com.br/

Provavelmente por quebra de privacidade.
Sugiro focarmos apenas em rentabilidades e assuntos financeiros.
Falar demais da vida pessoal e valores financeiros não agrega muito ao objetivo compartilhar conhecimentos de investimentos e finanças. Não gostaria de perder mais nenhum soldado na nossa batalha.


Ps: Mobral, bola pra frente. Futuramente faça outro blog, com outro nome. Abs!

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

[Dúvida do leitor] A taxa de juros cobrada no meu empréstimo não é a mesma divulgada no contrato! Estou sendo enganado?



Recebi uma dúvida do leitor Felipe e a compartilho aqui no blog.
Quem quiser comentar, sugerir algo a ele também, fiquem à vontade. Além disso, qualquer crítica, correção quanto a minha resposta será bem-vinda. Estamos todos aqui para aprender.



Segue mensagem:

-------------------------------------------------------------------------------------------------

Olá Investidor Defensivo, tudo bem?

Meu nome é Felipe e acompanho o seu blog há algum tempo e gostaria de uma ajuda sua se não for pedir muito, na verdade apenas um conselho.

Pois bem, acontece que há mais ou menos 2 anos e meio eu fiz um empréstimo no banco Santander, minha conta no banco era nova, ainda era universitário na época, minha renda era uma bolsa de estágio, enfim.... Acontece que agora já estou quase terminando de quitar essa dívida e me passou a hipótese de que os juros cobrados nesse empréstimo são abusivos e mais, utilizei a Calculadora do Cidadão no site do Banco Central para tirar essa dúvida e ao inserir os valores notei que a taxa de juros que estão me cobrando não é a mesma divulgada no contrato.

Seguem os valores do contrato:

Valor Financiado: R$ 3.180,00
Nº de meses: 36
Taxa de juros mensal: 3,5%
Tipo de taxa: (pré-fixada)
Valor da prestação (fixa): R$ 188,48



Quando faço a simulação pela Calculadora do Cidadão inserindo todos os valores, exceto o valor da prestação, e clico no botão calcular, a calculadora me retorna um valor de prestação fixa de R$ 156,72, ou seja, são R$ 31,76 a mais em cada prestação.


Outra situação que confirma que estou sendo prejudicado é quando preencho os valores na calculadora com exceção da taxa de juros, o valor da taxa mensal que a calculadora me retorna é de 4,84%.


Portanto ID, eu acredito que estou pagando R$ 31,76 a mais em cada prestação, pois no meu contrato os juros são de 3,5% o que resultaria em parcelas fixas de R$ 156,72 e não esse valor que tenho pago até hoje de R$ 188,48. Estou pensando em ir até a agência pedir reembolso desse valor cobrado a mais em todas as prestações pagas até aqui. Estou certo na minha iniciativa? O que você acha? Estou realmente sendo prejudicado ou fiz algum cálculo errado?

Caso eu estiver certo na minha teoria, como posso argumentar com o gerente da agência? Alguma idéia?


PS.: Ainda me faltam 09 parcelas desse empréstimo e o valor para a quitação é de R$ 1.472,31 segundo o Internet Banking. Achei um absurdo.


Desculpe o texto um pouco longo,

Agradeço sua atenção desde já.

Att.


-------------------------------------------------------------------------------------------------

Minha resposta:

Olá Felipe,

Só para conferir, além do site do banco central,  também utilizei outro site para fazer a simulação.
O resultado da simulação foi igual ao seu, R$ 156,72. 





Entrei na página sobre crédito pessoal do Santander.

No final da página, aparece:

"Sujeito a análise e aprovação de crédito e à manutenção das condições cadastrais e creditícias à época da contratação. Para conhecer previamente o Custo Efetivo Total (CET) e a taxa anual efetiva de juros da sua operação consulte seu Gerente ou ligue para a Superlinha.

Ao contratar seu Crédito Pessoal Santander, você pode contar com o Seguro Prestamista Premiado2, que garante a liquidação do saldo devedor, em caso de sinistro, e ainda ganhar dois números da sorte para concorrer a três prêmios2 mensais de R$ 20 mil, durante 12 meses, a partir do mês seguinte à contratação."




Lendo isto, acho que você não está sendo prejudicado.  O que vem em mente:

- Taxa de juros mensal de 3,5% que está informado no seu contrato não é a taxa efetiva de juros. Em alguma parte do seu contrato deve estar constando a taxa de juros "correta". Não acredito que o banco tenha errado nos cálculos do contrato. São milhares de contratos e creio que estas instituições tomam muito cuidado para gerar os cálculos corretos, pois um erro deste causaria muitos prejuízos a eles.

- Esta taxa de juros de 3,5% não está englobando algumas tarifas, tributos, seguros e outras despesas cobradas. Ou seja, não é o Custo Efetivo Total (CET).

- Não acredito que você tenha feito o seguro, parece que é opcional.  E este seguro pelo que entendi, ainda é atrelado a um título de capitalização (que é uma das piores formas de investimento, rende menos que poupança). Também não sei se este contrato seu é exatamente o produto ofertado na página que citei... Pelo tempo que você possui, acredito que não.


Resumindo, toda minha suspeita cai na questão do  Custo Efetivo Total (CET).



Sugestões:

Verifique se nas suas documentações sobre o contrato contém as informações sobre o Custo Efetivo Total (CET).  Pelo que entendi lendo a informação abaixo da página do Banco Central sobre o CET,  a instituição financeira tem obrigação de te informar sobre isto:

"As instituições financeiras e as sociedades de arrendamento mercantil devem informar o CET previamente à contratação de operações de crédito e de arrendamento mercantil financeiro. O CET deve ser expresso na forma de taxa percentual anual.

A planilha de cálculo do CET deve explicitar, além do valor em reais de cada componente do fluxo da operação, os respectivos percentuais em relação ao valor total devido. Exemplo da planilha está disponível na Carta-Circular 3.593, de 2013.

O CET também deve constar dos informes publicitários das instituições quando forem veiculadas ofertas específicas (com divulgação da taxa de juros cobrada, do valor das prestações, etc)."


Caso não tenha, procure mesmo o seu gerente e peça a planilha de calculo do Custo Efetivo Total (CET).


- Converse com o seu gerente e veja se é possível quitar à vista sua dívida com juros menor, pois talvez as despesas, tarifas possam ser retiradas do cálculo.Não sei se isto é possível, mas não custa perguntar.



No mais, fica a dica para todos sobre a questão do  Custo Efetivo Total (CET). De atentarmos sempre se a taxa de juros informada é realmente a que iremos pagar.



segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Venda: EQTL3 Compra: CCRO3

Vendi parte da ação que tinha em maior peso na carteira, a EQTL3 por R$ 23,42.
Com o dinheiro da venda e os dividendos do mês passado, comprei CCRO3 por R$ 18,43.
Agora o peso da EQTL3 na carteira passou para 5% aproximadamente.
E CCRO3 entra no time da minha carteira.

A estratégia continua sendo montar uma carteria de 20 ações, com 5% de participação em cada.
Para balancear, vendo parte da ação que está com maior participação e compro uma que está com menos de 5% de participação.

Efetuo apenas 1 compra e 1 venda por mês.