terça-feira, 17 de abril de 2012

Não acredite na taxa de retirada de 4% para aposentar! Pense, estude e aja financeiramente bem!

Não gosto de fazer posts grandes, pois simplesmente acho que muita gente não lê.
O que motivou a escrer este post foi este link que o Sir Income me passou:Aposentadoria – a regra dos 4%

Resumindo todo o meu post em 5 tópicos:

1- Essa regra de 4% taxa de retirada é totalmente desanimadora e muita gente nunca irá conseguir ter essa taxa para aposentar.

2- Não acredito em taxa de retirada segura de 4%. Pode ser mais ou pode ser menos. Ela é variável ao longo dos anos.Depende exclusivamente de você!

3- Temos que é que estudar para reduzirmos nossas despesas, investir melhor, orçar melhor.Frugalidade.

4- Não acredito que um blogueiro como o Viver de Renda (estou citando ele, pois ele utiliza esta taxa) também outros blogueiros e outras pessoas que cuidam e estudam finanças precisem realmente seguir essa taxa. Eles são financeiramente inteligentes para controlar seus investimentos, receitas e despesas ao longo dos anos.E isso encurta muito a jornada de independência financeira, já que acredito que é preciso de um capital acumulado muito menor.

5- Tudo que citei acima vale para o conceito de independência financeira e não para se tornar milionária, bilionária...


Logo abaixo apenas copiei os pontos que achei mais interessante do texto, mas aconselho FORTEMENTE todo mundo ler o artigo completo:

Taxas de retirada são realmente seguras?

É muito rico este artigo. (Não conhecia esse site, Financial Mentor. Violentíssimo. Tenho muito que ler dele ainda.) Tem muita coisa deste texto que não citei neste post. Mais um motivo para vocês lerem por completo.

Meu resumo (tudo abaixo foi copiado do google translate e fiz poucos ajustes):
"O ponto é que uma taxa de retirada de 4% no primeiro ano de aposentadoria que é ajustada a cada ano para a inflação não tem qualquer aplicabilidade mundo real. É uma ficção da pesquisa acadêmica.

Aposentados do mundo real aumentam os gastos, quando seus ativos têm uma boa rendimento e cortam gastos quando os ativos são destroçados. Eles gastam mais nos primeiros anos de sua aposentadoria quando a sua saúde é forte e viagens pelo mundo acena, e eles reduzem os gastos como a sua energia e saúde diminuem com a idade.

Em vez disso, ser inteligente e ajustar seus gastos com base nos resultados reais que você experimenta.

Então, o que deve fazer um aposentado?
Se a regra de 4% não é a resposta, então o que é?
Infelizmente, não simples "plug-and-play" modelo surgiu para substituir a regra de 4% (o que provavelmente explica por que tem persistido apesar imprecisão). Abaixo vou lhe fornecer um processo de quatro etapas para servir como uma diretriz para determinar uma aproximação razoável para uma taxa de retirada segura. Ele inclui vários ajustes que você pode fazer para determinar uma taxa de retirada razoável para sua situação de aposentadoria...

Longevidade: Decida primeiro quanto tempo você precisa do seu dinheiro para durar. Eu sou pessoalmente o orçamento para uma vida útil de 100 anos, porque nada menos
que isso, é financeiramente arriscado. Quando seu horizonte de retirada for maior que 30 anos não é seguro gastar a parte principal (gaste apenas os juros). E quando o tempo diminuir, ficar mais velho, torna-se viável gastar a parte principal.
Utilize esses fatos para definir sua taxa segura de retirada.

Avaliações de mercado: é avaliar o nível de risco inerente a avaliações de mercado para que você possa decidir um mix de ativos adequada e taxa de retirada dada a sua
expectativa de longevidade e do ambiente econômico.

Filtrar: Agora que você tem uma taxa de retirada de referência considerar subtraindo para outros fatores discutidos acima. Por exemplo, se você paga taxas de consultor
de investimentos e investe em fundos mútuos de alto custo, então você pode querer reduzir a sua taxa de retirada em conformidade.

Corrigir e ajustar: Depois de escolher sua estratégia de investimento e taxa de retirada não cometa o erro de defini-lo e esquecê-la. Lembre-se de 3 ª Geração pesquisa
por Wade Pfau mostrou como a maior parte de sua financeira "blow-up" de risco é determinada pela seqüência de retornos e inflação durante os primeiros 10 anos. Você
pode precisar de ajustar a sua estratégia baseada em resultados reais e você certamente não deve cegamente aumentar a quantidade que você gasta a cada ano pela taxa de
inflação como a regra de 4% indicaria. Revisitar você planeja a cada poucos anos para que você nunca gastar muito grande uma porcentagem de suas economias em um ano,
independentemente do que a pesquisa lhe diz. "



Outra parte do texto:
"Lição aprendida: Sua taxa de retirada verdadeiramente segura para 30 anos é altamente dependente da seqüência de 10 anos do primeiro dos retornos e taxa de inflação. A sabedoria convencional de 4% é uma estática, a aproximação pelo denominador comum, mas as taxas reais de abstinência seguros são altamente variáveis.

Lição aprendida: Se você investir em ETF de baixo custo sem adicionais honorários de consultoria, então você pode ser capaz de ignorar a questão despesa de investimento desde o seu impacto deve ser limitado.  No entanto, se você investir com um consultor em caros fundos mútuos então esta questão é uma consideração séria que poderia reduzir a quantidade que você pode retirar a cada mês em 10-20%. É uma questão importante a considerar que poucos conselheiros irá explicar-lhe ... por
razões óbvias."


Outros links:
Que medo.Coisa demais para aprender.
Ainda sou um faixa azul em finanças pessoais...
Artigos sobre planejamento de aposentadoria.

Estratégia de retirada em um "Bear Marketing"

Blog do doidão Wade Pfau , pesquisador sobre as estratégias de planejamento de aposentadoria PHD em Economia, que o Andre Massaro citou no artigo dele.
Quem ler tudo, sobe de faixa!rs

16 comentários:

  1. Olá ID!

    Ótimo tema, eu não boto fé nesses cálculos super elaborados. Acho que a taxa de retirada segura deve sim ser adaptada a cada fase da vida. Se fazer um planejamento de gastos pra 1 ano já é complicado que dirá para daqui a 30 anos, é impossível.

    Acredito que o conceito de semi-aposentadoria que vc já discutiu é o mais inteligente. Não devemos esperar décadas pra usufruir da nossa poupança, podemos conciliar as duas coisas. E por isso mesmo, acho que mesmo após a IF, o cara pode ter trabalhos que gerem renda e ajudem a ajustar a retirada mensal.

    Abraço!

    Corey

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo Corey!
      Essa é minha linha de pensamento até agora.
      A solução mais viável e de custo/benefício melhor.

      abs!

      Excluir
  2. ID,

    Gosto muito da ideia de frugalidade. Se você ganhava R$ 10.000,00 antes de se aposentar, precisar continuar ganhando isso? Será que não dá para cortar alguns gastos?

    Além disso, acho que o investidor deve ser como um empresário. Tem meses bons e meses ruins. O que acontece se houver uma recessão? E um novo competidor? Acho que o nome do jogo se chama adaptação.

    Abraços,
    Sir Income

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Frugalidade ajuda pq diminui nossas necessidades e consequentemente menos dependência ao dinheiro.

      Pois é, durante a vida, tudo muda, tem seus altos e baixos temos realmente que adaptarmos!

      abs!

      Excluir
  3. ID, esse é um tema recorrente entre os blogueiros e que ainda não se chegou a uma conclusão definitiva. Comecei a pensar no assunto e estou com uma idéia. Logo logo vou fazer um post a respeito.
    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Eike,
      Estou aguardando a sua idéia!
      Vamos fritar os neurônios para tentarmos uma solução melhor possível.

      Abs!

      Excluir
  4. ID,

    Metodos alternativos de retirada tambem foram exaustivamente estudados, "floor and ceiling", "decision rules", "fixed percentage", "endowment formula", etc. A maioria aumenta um pouco as retiradas iniciais (~5% a.a.) para perto do "final" reduzir para ~3%.

    Esse texto que voce postou é muito muito ruim. O cara nao definiu regras claras mas fez criticas genericas sem propor um modelo alternativo definido. Imagina se o individuo nos EUA aplicasse hoje a regra dele de gastar apenas os juros e nao tocar no principal, nao iam conseguir gastar mais que 1,5% do portfolio ao ano...

    A matematica continua a mesma: precisa-se de renda variavel para aumentar o % de retirada (na renda fixa so conseguiriamos 2-3%) e para proteger o portfolio em casos de alta volatilidade ou alta inflacao esse percentual nao pode ser muito alto sob pena de exaurir o portfolio. FIM. rs.

    Abraços,

    VR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. VR,
      Pode ser que esses métodos alternativos de estatísticas cheguem a esse 3 a 5%... E atenda a maioria dos casos. Mas ainda acho uma "ficção da pesquisa acadêmica". Prefiro eu mesmo definir quanto eu posso tirar ao longo dos anos. Claro que vou lembrar dessa probabilidade de 3 a 5%. Mas vai ser um dos itens para minha avaliação. Mas não vai ser o único.

      Eu achei o texto muito bom. Tudo bem que ele não definiu um modelo alternativo. Ele não deve ter proposto porque simplesmente ele não sabe.
      E duvido que exista um modelo matemático que atenda todos os indivíduos do mundo. São muitas variáveis: idade, renda acumulada, gastos mensais, ocasioes e eventualidades na vida... É apenas probabilidade. Infelizmente ou felizmente na verdade, quem é responsável pelo nosso sucesso financeiro somos nós mesmos. Temos que estudar, analisar nosso próprio caso.
      No texto, ele apenas identificou algumas variáveis que devemos monitorar, levar em consideração.
      Ele não sabe o que é o certo, mas pelo menos identificou o que é errado. Menos mal.


      Quanto questão da renda variável concordo com vc. Enfim é algo bem "simples". Temos que ter uma rentabilidades mensais maiores que nossas despesas mensais.Só isso. Bem simples. rs

      abs!

      Excluir
  5. Bem, não acredito nessa taxa de retirada, apesar de considerar os calculos lógicos, concordo com o VR em relação ao minimo de 3M, mas tb considero q qto maior o patrimônio, maior a diversificação aliados a uma vida frugal, melhor será nosso futuro. Se aliar tudo isso a uma fonte de renda esporádica, um trabalho/hobbie que gostamos, maiores as chances dos planos darem certo. Prever o futuro é complicado, pois não depende apenas de nós, mas de governo, politica, economia, e tudo isso sempre contribui negativamente.
    Nunca me preocupei com esses calculos, até pq não consigo prever meu dia de amanhã, qto mais como vai ser minha vida daqui 20 anos, gosto de ler sobre o assunto, mas não me apego a ele e a um valor de montante final, mas ficaria feliz em ter aos 50 anos uns 5M bem distribuidos rsrsrs (sonhar é divertido e nos move p frente)

    Li tudo e + os comments, que faixa ganhei?
    BJ$ na ponta do nariz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda acho os valores 3M, 5M, 10M muito relativo. Depende do consumo de cada um.

      Eu preocupo demais com os cálculos.Faço altas simulações, vejo como anda meu orçamento...
      Não consigo ficar sem fazer. Pode estar errados, mas tento ficar o mais próximo da realidade.
      E o quanto depende apenas da gente?Não sei...Chuto que mais de 60% são as nossas decisões e ações fácil.

      Leu TODOS os artigos de aposentadoria, o blog do
      Wade Pfau todo? Viajou naqueles gráficos e tudo mais?
      Já é uma JEDI! rs

      abs!

      Excluir
    2. tempo livre eu tenho, leitora voraz eu sou jovem padawan kkkk

      os valores são relativos realmente, mas uma coisa é certa, qto mais temos, mais queremos :P
      eu me preocupava muito com os calculos qdo tinha uns 20, 23 anos, ficava horas calculando, brincando com planilhas vendo onde poderia chegar o que poderia fazer p melhorar, sei lá, agora cansei de calculos kkkkk
      o FinancialMentor já estou acompanhando desde q vc colocou aqui da outra vez (acho q foi vc, acho q foi aqui) e eu passei um bom tempo rodando no link e lendo os textos, agora estou rodando pelos outros posts do blog do Wade Pfau (nao, não li todos ainda rsrs)

      minha real preocupação no futuro não é taxa de retirada, rendimentos, nada disso mas sim é se eu perder minha capacidade de investir e acompanhar os investimentos, por qualquer motivo q seja, aí sim a coisa complica, de nada adianta fazer calculos se sua saude parar de funcionar, quem assumirá isso? Aí eu te proponho: já fez uma simulação dessa?

      Excluir
    3. Tem mais de 5 anos que simulo e nunca consegui finalizar minha planilha.rs

      Sim. Já pensei que quando ficar doente, contratar 2 a 3 gestores financeiros profissionais e dividir a gestão do capital em partes iguais. rs

      Excluir
  6. ahh o link
    "Estratégia de retirada em um "Bear Marketing"
    não tá funcionando, tenta colocar sem o tradutor

    ResponderExcluir
  7. Meteu pau nos 4% mas nao falou outro numero para usar...não adianta vir com essa de é complicado, nao é direto, depende de cada um...para o povão precisa ser um numero direto e ponto...até me dizer outro numero vou usar 4% com convicção!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc mesmo disse que "depende de cada um". Como vc quer que eu fale um número para usar?
      4% pelos artigos, estatisticamente dará certo para maioria dos casos.
      Eu não tenho a mesma convicção de vc. Mas sei que podemos variar a taxa de retirada ao longo da nossa percepção ao longo dos anos.

      Excluir