domingo, 18 de março de 2012

Investir em empresas que consumimos os produtos delas é uma boa estratégia?


Para saber quais as empresas estão "levando meu dinheiro", peguei minha planilha de orçamento anual e fiz a seguinte análise abaixo:


Item
Empresas
Percentual
diversão
bebidas, alimentícias
18,07%
alimentação
alimentícias
17,58%
plano de saúde
saúde
15,36%
férias
aviação, bebidas, alimentícias,hotelaria
13,17%
presentes
vestuários, cosméticos
7,34%
gasolina
Petróleo
6,77%
seguro carro
seguradoras
6,47%
celular
telefônicas
3,61%
luz
Energia Elétrica
2,71%
agua
água
2,26%
vestuário
vestuários, cométicos
1,88%
calçados
empresas de calçados
1,35%
remédio
drogarias
1,13%
higiene pessoal
cosméticos
1,13%
tarifa bancos
bancos
0,53%
livros
Livraria
0,29%
anuidade cartão crédito
bancos
0,18%
fotos - armazenamento
Internet
0,17%



Algumas análises sobre a planilha:
- Percentual muito alto em bebidas e alimentícia.
- Não tinha percebido o percentual alto em sáude antes dessa análise.
- Petróleo e seguradoras também impactam muito o consumo.

Como eu tambem faço parte do mercado consumidor e provavelmente muita gente tem um orçamento parecido com o meu, porque não investir em um percentual maior em empresas que eu mais consumo ?
Não sei se meu pensamento é correto. Mas a sensação de consumir e pelo menos pensar que também receberei um lucro futuro pois tenho essa empresa na carteira parece muito boa. Ainda mais se for uma boa empresa.
Qual a razão de não comprá-la? Não precisa ter muito delas. Nem ser o foco principal da estratégia de investimento. Pelo menos um pouco, para dar essa sensação. Que acredito que não é só sensação. Dará resultado bom e concreto.

Estou na mira de Ambev, brfoods, petrobrás, OGX (será?), Amil (será?), Natura e outras.

No livro investidor inteligente, há uma crítica negativa do Jason Zweig sobre comprar empresas que consumimos os produtos dela. Mas não concordei muito...

Aguardo críticas e sugestões de vocês sobre este post!
Analisem suas planilhas de orçamentos também.rs

22 comentários:

  1. Ola ID
    Eh um ponto interessante a ser discutido. Particularmente eu nao tenho a preocupacao de consumir produtos dem empresas que posso vir a ter acoes. Mas pra falar a verdade, tambem nao tenho um argumento bom o suficiente pra me basear.
    Abraco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu consumo tb não causa tanto impacto assim nos lucros dessas empresas...rs
      Não fiz uma análise fundamentalista. Mas podemos identificar grandes empresas que acredito que sejam interessantes de se investir.

      Excluir
  2. Rapaz, pensando bem, faz sentido essa sua estratégia, gostei, afinal de contas gastamos dinheiro com elas e precisamos ser recompensados, rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Psicologicamente parece que faz um bem danado.rs
      Mas não garante a melhor rentabilidade.

      Excluir
  3. A lógica é válida, mas só ela não é necessário para indicar área de investimento que nos traga retorno. Pode ser que a parte de alimentos e bebida que gasta nem tenha vínculo com as empresas de capital aberto o que faria a lógica ser perdida. Mas claro que aliado a uma boa análise o investimento deve valer a pena, principalmente porque essa área de consumo deve sempre seguir a economia. Agora OGX... sem comentários rsrs

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. É. Quase todo mundo bebe e todo mundo come...
    A de bebidas boa parte é da ambev mesmo.
    Sinceramente, acho que não consigo fazer uma análise fundamentalista de qualidade. Ainda não estudei pra isso. Acabo lendo as análises prontas de outras pessoas.
    OGX ainda está só na "esperança e promessa" não é? Estou meio por fora dela... abs!

    ResponderExcluir
  5. cara, tenho ambev, tenho brf, ugpa...além do mais, essas empresas são não cíclicas, algo que gosto muito. Ultimamente, estou aumentando muito os aportes em brfoods, pois acredito muito que ela tem muito o que crescer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente! Não cíclicas parece ser uma boa investir.
      UPGA...nem sabia que ipiranga era dela. Valeu pela dica.
      Ultrapar tinha passado batido por mim.

      Excluir
  6. eai ID,

    Belo post realmente pode ser considerada essa estrategia, mas nada haver com o assunto, voce sabe se este site q esta sendo anunciado em seu blog USATOTAL.com.br é um site confiavel? pois seus preços em suplementos alimentares estao muito abaixo dos outros...abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu! Sobre esse site...Nunca vi a propaganda!rs
      O google detectou seu interesse por suplementos aí.rs
      Todos os anúncios do site são do google.
      abs.

      Excluir
  7. Defensivo,

    Quando comecei a vestir roupas da Hering (há +/- 3 anos), pensava comigo: "bem que eu poderia ser sócio de alguma forma de uma empresa assim" (obs: na época eu nem sabia ao certo "o que" é investir em ações). Quando comecei a investir de fato, no passado, pensei seriamente em comprar esses papeis, mas não comprei (infelizmente!). Atualmente, vejo o quanto deixei de ganhar, ao ver o nível de valorização dessa empresa na bolsa. O mesmo digo para Cielo, cujas maquininhas utilizo quase que diariamente, como consumidor, BR Foods, Ambev, Souza Cruz, e tantas outras que vêm apresentando rendimentos interessantíssimos nos últimos anos. Resumindo, para mim é interessante sim comprar empresas cujos produtos consumimos, em especial se formos consumí-los independentemente de estar em um período de crise ou de bonança.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tb já pensei na hering. E ela faz parte da SMALL11...
      Concordo com as empresas que vc citou. Fico só com um pé atrás quanto a Cielo. Minha impressão é que ela é a mais vulneável quanto a concorrências. Pode aparecer outra empresa, com mais poder tecnologico e investimento que pode competir no mercado com ela...
      abs!

      Excluir
  8. Olá ID!

    Faz sentido sim, nunca havia parado pra pensar nisso. Acho que é mais psicológico, mas os fatores psicológicos são muito importantes pra nos trazer serenidade, então é válido!

    Abraço!

    Corey

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Corey,
      Fator psicológico é osso. Temos que trabalhar bem isto.
      Pois nosso foco é buscar uma melhor rentabilidade possivel levando em conta o risco.
      De qualquer forma, acho que também não é a pior estratégia de todas. Repetindo o que citei no blog, podemos comprar apenas um pouco delas e utilizar outra estratégia em conjunto.
      abs!

      Excluir
  9. Certa vez li, em algum lugar, q uma funcionária pública americana,logo apos a grande depressão,passou a comprar ações de todos os produtos q consumia. Se ela tinha um carro Ford comprava ações da Ford, se ela bebia coca-cola comprava ações da coca-cola, se usava pasta de dente da gessi lever comprava ações da gessi lever. Depois de alguns anos ela se tornou uma grande milionária.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez se investisse aleatoriamente, também poderia ter tido um resultado parecido.
      Depois que uma grande crise passa, vem um período muito rentável.
      Lembra 2002 a 2008?

      http://www.enfoque.com.br/poster/ibovespa/view_ibovespa_enfoque.aspx

      Excluir
    2. Pô, mas ela se deu bem pq comprou na grande depressão! rsrsrsrs

      Excluir
    3. Ia mandar o mesmo comentário sobre este case!

      Fazer o que ela nunca é fácil! Ela se tornou milionária apenas reinvestindo os lucros sem novos aportes.

      Alguns podem chamar de sorte, outros de clareza do que é uma boa empresa.

      Como não acredito muito em sorte, mas sim em reações a nossas ações dou o mérito a ela.

      No geral este conceito me serve como + um fator orientador. Até pq não sou grafista e tenho raiva de quem o é! hehehe ;-)

      Excluir
  10. ID,

    já pensei nisso tb, mas eu acho q vc deve focar nos resultados das empresas, mesmo.

    Por exemplo, talvez muitos dos produtos que vc use são do Hypermarcas, no entanto, vemos que a empresa não tem um histórico muito consistente de lucros...

    Sobre a AMBEV, ela está com P/L 26... teria que continuar mantendo o crescimento estratosférico dela nos últimos anos...

    Tem bar aqui no RJ que a garrafa de cerveja já bate os R$ 10.00 qdo se paga os 10%; há uns 5 anos atrás custava R$ 3; R$ 3,50 no máximo...

    Assim fica fácil! rs

    ResponderExcluir
  11. Valeu pela dica do Hypermarcas. Vou dar uma analisada.

    Sobre a Ambev... Pois é. O pessoal não pára de beber, ela não pára de subir.rs Mesmo assim é um risco.
    O négócio é diversificar em várias empresas mesmo. O futuro ninguem sabe o que vai acontecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa do "não pára" de beber também eu achava; mas li em algum jornal há uns poucos meses que o consumo de cerveja nos bares da Espanha caiu 80% (OITENTA) nos últimos anos...

      Isso q é crise! Nem dinheiro pra afogar as mágoas sobrou! rsrsrsrsrs

      []s!

      Excluir